Vale Refeição | O que meu estabelecimento precisa para aceitá-lo

por | 13/02/2020

Hoje em dia o vale refeição é um dos benefícios mais concedidos aos trabalhadores. Até porque, a grande maioria não tem tempo o suficiente para ir até a casa, seja para almoçar ou jantar.

Diante desse atual cenário, cabe aos estabelecimentos aceitarem o vale refeição em seu negócio, o que contribui para seu faturamento. No entanto, muitos têm dúvidas o que deve ser feito para conseguir aceitar o cartão benefício e é sobre isso que vamos falar no post hoje. Confira!

O que fazer para aceitar vale refeição no estabelecimento

Aceitar cartão refeição em um estabelecimento é uma excelente forma de obter um lucro maior, já que se trata de um diferencial estratégico, na qual oferece ao consumidor maior liberdade na hora de utilizar seu cartão benefício.

Dessa maneira, além de aumentar a base de clientes e potencializar o faturamento, você tem a chance de se aproximar de um público que antes não existia no estabelecimento.

Mas, afinal, quais estabelecimentos no ramo alimentício podem aceitar vale refeição?

O cartão refeição tem como objetivo custear refeições já prontas, como almoço e jantar por exemplo, diante disso, comércios como restaurantes, cafeterias, lanchonetes, redes de fast food, bares, padarias, dentre outros que ofereçam refeições prontas podem aceitar o cartão benefício.

Por isso, antes de pensar em aceitar o vale refeição, é importante observar qual a categoria que se encaixa para procurar uma administradora de cartões benefícios e dar início ao processo de cadastramento correto.

Vale ainda destacar que, dependendo o tipo de estabelecimento é possível conseguir oferecer desde o vale refeição como o vale alimentação. Padarias, por exemplo, podem comercializar alimentos diversos e prontos, assim como mercearias, mercados, supermercados e hipermercados.

Saiba o que é preciso para aceitar vale refeição

Embora a grande maioria dos empreendedores pensam que habilitar um negócio para receber o cartão refeição seja um processo complicado, trata-se de algo simples sem burocracias.

No entanto, o processo de cadastramento exige o cumprimento de algumas etapas, em que o estabelecimento precisa se enquadrar em algumas exigências. Veja a seguir cada uma delas:

Ter uma conta bancária

Todo o reembolso dos pagamentos recebidos pelo cartão refeição deve ser realizado por meio de transferências bancárias ou DOC/TED. Ou seja, a primeira exigência a ser cumprida é ter uma conta bancária para isso.

Até porque, sem ela, o reembolso não acontece e o estabelecimento corre o risco de ficar sem o dinheiro.

Providenciar máquinas de cartão

Devido ao vale refeição ser concedido aos trabalhadores por meio de cartões magnéticos, o estabelecimento deve conferir quais as bandeiras o seu aparelho aceita e se ela confere com as que são disponibilizadas pela administradora de cartões benefícios.

Taxa de anuidade

O pagamento de anuidade para o estabelecimento se associar aos programas de vale refeição varia de acordo com a administradora contratada. Algumas cobram valor mensal ou anual, outras oferecem isenção dessa taxa no contrato.

Valor repassado

A cada refeição paga com vale refeição, é repassado um valor para a administradora do benefício, que varia de acordo com o contrato e o serviço selecionado, mas gira em torno de 6% a 13%.

Nesse caso, ao optar por aceitar o vale refeição, é necessário que a empresa faça uma simulação de valores para saber qual será o seu faturamento, para que essa taxa não seja prejudicial.

Entenda na prática como funciona o cartão refeição

Cabe lembrar que cada serviço de vale refeição contratado opera com um acordo específico de funcionamento de acordo com as regras de cada administradora de cartões.

No geral, a empresa de cartões benefícios oferece um vale refeição para cada colaborador abastecido pela instituição empregadora, que será utilizado nas maquininhas de pagamento.

A operadora é responsável pelo gerenciamento do valor transferido para o estabelecimento alimentício, de acordo com prazo combinado em contrato.

Lembrando que para poder ofertar o cartão refeição, o empregador deve estar inscrito no Programa de Alimentação do Trabalhador (PAT), criado pelo Ministério do Trabalho e Emprego em 1976 para estimular e disseminar a alimentação de qualidade entre os trabalhadores brasileiros.

Para estar cadastrada, a empresa deve estar de acordo com as normas estabelecidas. Os valores oferecidos devem ser suficientes para a aquisição de refeições ou de gêneros alimentícios, conforme os parâmetros nutricionais do PAT.

Como solicitar o cartão refeição em meu estabelecimento?

O estabelecimento comercial que deseja adotar o vale refeição pode fazer o contrato diretamente com a empresa responsável por oferecer o serviço. As regras do contrato serão definidas entre empresa e estabelecimento, em um acordo particular selado entre ambos.

Lembre-se de avaliar os serviços, as taxas e os tipos de máquinas antes de contratar o serviço e estime o número de vendas no cartão para que você não tenha nenhum prejuízo.

× Como podemos te ajudar?